quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Apagão


Ainda bem que o horário era de verão, porque quando escureceu foi para valer. Dava para ver as luzes de velas dançando numa ou outra janela. (Os tempos são tão modernos que ninguém mais tem vela. Eu, por sorte, tinha duas que sobraram de um jantar romântico semana passada). E aí a gente se pega pré-ocupando: e se a luz nunca mais voltar? E se for o fim do mundo? Como é que a gente vai saber o que fazer, se nem a televisão liga mais? Como eu vou apresentar meu trabalho amanhã, sem o laptop? E fazer o almoço sem o microondas? E meus amigos, como que ficam sem e-mail? E depois de mais algumas perguntas a gente conclui que sem eletricidade metade da nossa vida vai embora.

Das poucas coisas que não se abalaram com o apagão foi a comunicação com minha mãe. Nossa telepatia vem de antes do celular. Quando ela me levava para brincar na casa de uma amiguinha e combinava de ir me buscar às cinco horas da tarde, eu nem me preocupava: se a brincadeira estava boa demais eu sabia que ela iria se atrasar, se a amizade não estivesse em seus melhores dias calhava dela mudar os planos e ir me pegar mais cedo. E se no começo parecia coincidência, depois reconhecemos e passamos a fazer uso desse nosso sistema interno de comunicação. Na adolescência, quando vivia sem crédito no celular, nem precisava fazer a chamada a cobrar. Bastava dizer forte com o pensamento “mãe, me liga” que logo aparecia na telinha piscando: “mami cel”. A prática da telepatia chegou a tal grau de eficiência que não dava nem mais para sabotá-la. Quando passei maus bocados no exterior e quis poupá-la de aflições inúteis o resultado foi este: mãe e filha internadas, eu lá e ela aqui. Sofrimento dividido assim, por telepatia. Telepatia sem fronteiras.

Que a luz acabe: as coisas mais importantes já estão garantidas.




Parabéns Mami-Ana-Maria-Cabelos-de-Ariel. Amo-te!        

5 comentários:

  1. Que amooor!!
    Mãe da gente é tão gostoso, né? Ainda mais quando se cria uma relação tão de coração assim! Eu tenho isso com minha mãe tb! Ela sempre me liga quando eu quero muito falar com ela e não consigo!
    Beijo Nina

    ResponderExcluir
  2. QUE LLLLLLLLLLLLLINDO!
    ain.. muito belo, mesmo!
    espero que minha convivência com a minha filha seja assim, telepática!
    Beijos, Nina!

    ResponderExcluir
  3. Super bacana teu blog, adoreiiiii

    ResponderExcluir
  4. adoro a imagem sera que sabe onde eu posso encontrar algumas imagens parecidas?

    LIIINDOO o txto


    beijinhos adorei

    ResponderExcluir
  5. Maria, a imagem também fui eu que fiz. =) Que bom que vc gostou. Se quiser que eu faça alguma em especial, me deixa eu email que eu entro em contato com o maior prazer.

    ResponderExcluir