sexta-feira, 9 de abril de 2010

O que acontecia no mundo quando você nasceu

“O que acontecia no mundo quando eu nasci?” Tinha aproveitado a brecha entre as visitas para começar a completar o seu álbum do bebê, uma vez que todas as mães foram categóricas em dizer que, sim, a gente esquece rápido. Mas, o que é mesmo que acontecia no mundo? Mundo... mundo... onde fica isso mesmo?

Desci da minha cama e fui até a janela do quarto. A vista do décimo sétimo andar me deixou com as pernas bambas. Não pela altura, mas pela imensidão que minha vista pôde alcançar. Depois de uma semana da sua vida confinadas naquele hospital tão branquinho, higienizado e silencioso, havia me esquecido do mundo lá fora. Barulhento. Sujo. Vi milhares de carros e pessoas indo de um lado para o outro, todos alheios a sua existência. Por um instante achei que devesse gritar, anunciar a sua chegada assim como Rafiki fez  do alto da pedra do orgulho com o pequeno Rei Leão. Não o fiz, mas continuei certa de que se o mundo soubesse sobre você, todos se curvariam diante deste milagre maravilhoso, o maior de toda a minha vida. 

Até que, já na escolinha, houve aquela festa do folclore. Você estava linda, de fantasia de fadinha verde e com uma estrelinha desenhada na bochecha. Eu, na platéia, não sabia se aplaudia ou tirava fotos. Resolvi tirar fotos. E foi no momento em que me aproximei do palco que descobri. Era óbvio e proporcionalmente cruel.

Vi dezenas de outros pais e mães, com suas máquinas fotográficas e seus olhos marejados de emoção. Apesar da dança em conjunto, pude acompanhar os olhos daquelas pessoas e percebi que exatamente todas elas assistiam a uma apresentação solo. Para cada um de nós, só existia uma estrela na festa: o próprio filho. 

Saber disso me causou uma enorme tristeza.Como será que o mundo te trataria (ah, sim, o mundo) desprovidos do amor que eu sinto por você?

Sem ter essa resposta, passei a te amar em dobro, que é o que eu podia fazer. A página do álbum continua em branco. Não, nada mais importante acontecia no mundo no dia do seu nascimento. 


21 comentários:

  1. Oi Nina, que lindo seu blog! Não tenho filhos, mas amei. Ja sou sua seguidora.

    bjos

    ResponderExcluir
  2. Post lindo! E a pequena é lindíssima! beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi Nina!! Que texto lindo. Seus texto de mãe sempre me emocionam. Tenho sentido cada vez mais vontade de ter o meu próprio bebe pra ficar corujando, pois eu fico daqui babado os filhotes que vejo pelos blogs afora.
    A sua então é uma coisa mais fofa!!!
    beijos em vcs! E um ótimo fim de semana!

    ResponderExcluir
  4. LINDO , LINDO!TÔ ARREPIADA COM SUAS PALAVRAS, COMO DESCREVESTE TÃO BEM AS MÃES...

    ResponderExcluir
  5. Linda fada!
    As outras tb.
    Aliás, o mundo seria muito mais bonito se todas essas fadas voassem por aí espalhando pelo mundo seus encantos.
    Cada uma com sua importância.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  6. Lindo, lindo, lindo!!! bjo
    Paloma e Isa

    ResponderExcluir
  7. Adorei seu texto, só para variar! rs.
    E que linda fada!
    Um beijo!

    ResponderExcluir
  8. Essa gatinha não é uma fada de "conto de fadas", essa fada existe de verdade e é linda!!!

    ResponderExcluir
  9. Realmente o que acontece no mundo qndo um filho nosso nasce não importa. O que importa é o que a gente tá sentindo naquele momento.
    E preocupa tanto msm essa coisa de cada um por si e... quem vai amar mau filho no mundo lá fora?
    Lindo texto, só pra variar, rs
    bjks

    ResponderExcluir
  10. Nina, estava pensando sobre isso hoje mesmo. Depois que saí do hospital com a Emília, fiquei sabendo que tinha acontecido aquele terremoto horrível no Haiti. Hoje, eu estava lendo o posfácio de Macunaíma, um texto que falava sobre a semana de 22. E eu fiquei pensando. Podia estar acontecendo a semana de 22 enquanto Emília nascia, assim como aconteceu o terremoto. Coisas que ficam pra História. E a gente não se importa, porque naquele momento começa a nossa história.
    Só sei que no dia 12 de janeiro de 2010, enquanto milhões de outras coisas aconteciam por aí - algumas históricas - minha filha nascia. E chovia.

    ResponderExcluir
  11. Adorei!
    Parabéns pela linda fadinha verde com estrelinha na bochecha, e acredito que como o mundo vai trata-la não tem tanta importancia, comparado a ter uma mãe que a ama em dobro.
    lindo post!
    bjs

    ResponderExcluir
  12. Que texto lindo! Me emocionei!!!
    Parabéns pela princesa e de fato... o que de mais importante pode acontecer no mundo que os passos de nossos filhos? Desde o nascimento até onde pudermos com eles estar, serão sempre a razão de nossas vidas!
    Adorei seu blog!

    ResponderExcluir
  13. Lindo post!! me emocionei tb!
    Adorei ...

    ResponderExcluir
  14. Ui, arrepiei.
    Lindíssimo texto, lindíssima fada verde.

    ResponderExcluir
  15. OI Nina, o menina boa com as palavras rsrsrs, amei o texto emocionante, a vontade de querer que o mundo pare diante de mais uma obra do Senhor é a mesma que eu senti rsrs.

    Vc é uma mãe maravilhosa.

    Ah tem um selinho pra ti lá no meu blog, pega lá.

    Beijocas

    ResponderExcluir
  16. Oi Nina, primeira vez q passo pelo seu blog... e jah virei fã!!! Lindo texto!!! Lindo, lindo!!!. srsr

    Expressa bem o que sentimos, o q senti quando passei a fazer parte desse mundo onde criaturinhas tão miudinhas mudam nossa vida com um amor imensuravel!

    Bjs! Virei fã!!

    ResponderExcluir
  17. vou concordar com a leitora ai de cima
    achei esse post tao lindo.
    e especialmente aquela fadinha no meio da floresta de humanos.
    <3

    ResponderExcluir
  18. Jamais inaginei que alguem tao jovem, poderia falar de tal maneira sobre coisas do coração.
    Coisas do meu coração, com tanto amor e saber
    Continue falando, escrevendo e ate gritando.
    Só nao pode parar.
    CJ

    ResponderExcluir
  19. Marina... !
    Parabéns pelo blog ! Muito bom !
    Fico emocionada quando leio...vc diz exatamente o que nós mães sentimos !!
    um beijo grande,

    Karina (mãe da Carol, do RBranco)

    ResponderExcluir
  20. Marina, este texto você publicou três dias depois do nascimento do meu filho. Provavelmente enquanto eu olhava atônita pelo vidro do hospital, sem entender como continuavam a andar os carros.
    É daqueles textos que a gente tem que agradecer.

    ResponderExcluir