sexta-feira, 21 de outubro de 2011

O segundo filho

Muito se fala sobre a inigualável experiência do nascimento do primeiro filho. Quantas vezes eu mesma tentei descrever tal emoção, procurando no infinito palavras que conseguissem transmitir a imensidão que é a descoberta da maternidade. Sim, re-descobrir o mundo como mãe é algo imenso e devastador: como um animal que troca de pele, rompemos nossas concepções, dilaceramos nossos conceitos, estreamos numa existência outra e muito, muito maior.  Como disse no início deste texto, trata-se de uma experiência inigualável. Não consigo suspeitar de nenhum possível fato futuro que supere a grandiosidade que é segurar um filho nos braços pela primeira vez. 

O segundo filho, nesta perspectiva, já nasce de mãe formada, sem causar muito alvoroço. Talvez por eu mesma ter um irmão mais velho, nasci conformada com o amor compartilhado (e também a atenção, o tempo, a comida e os livros de escola). Depois de aprender a amar e a me dedicar a alguém mais que a mim mesma – e ainda ter conseguido conjugar esse amor e dedicação com um companheiro – acreditei piamente que meu coração estava pronto para receber quantos filhos fossem, sem grandes esforços elásticos.
               
Tanta confiança me fez esquecer de que amor por filho é sempre doído. Antes mesmo do meu segundo filho deixar de ser ideia, já sentia os músculos do coração doloridos. Como machucava o desejo de ser mãe novamente, como ardia a espera pelo momento certo. E de nada adiantou ser expert em amor materno... Talvez justamente por sê-lo, as emoções de receber a notícia de um segundo filho explodiram, como um vulcão que há séculos esperava o momento de violentamente entrar em erupção.

Eu não sabia que seria assim. Deveria haver mais poemas sobre ser mãe de novo.


(To be continued...)


 Para Lia Miranda, Paula Homor e Mariana. 




14 comentários:

  1. e eu chorei de novo....sempre me emociono com suas palavras...tao lindo! publica logo um livro, ta? bjos bjos

    ResponderExcluir
  2. Marina, eu ando passando pela vontade imensa de ter outro filho, pela incerteza se é o momento e pela angústia de pensar que não é. Quando será?
    Lindo o texto! Só pra variar eu gostei mesmo, mesmo!
    Beijo

    ResponderExcluir
  3. Tudo isso e mais um pouco.

    Apesar de ser o segundo, depois de um certo tempo, torna-se o primeiro. Tantas incertezas, tantas dúvidas, alegrias em pequenas gotas, coisas que por vários motivos não aproveitamos na primeira gravidez e mesmo na primeira maternidade. Juro, e com certa experiência, pois foram 10 anos de um desejo guardado bem no fundinho do meu coração, que esta é uma das melhores experiências do mundo. A Sofia está aí para me fazer lembrar todos os dias o quanto é bom ter um bebê em casa, depois de tanto tempo, e com o passar dos anos vê-lo se transformar no serzinho que esperamos que seja.

    Saudades de passar por aqui e ler seus textos maravilhosos, que sempre emocionam.

    Beijocas.

    ResponderExcluir
  4. Que lindo! Eu, grávida do meu segundo filho, me identifiquei com suas palavras!
    Beijos,
    Nine

    ResponderExcluir
  5. Boa noite, tô passando aqui pra divulgar um sorteio que Atelier Graça Veloso está realizando de um conj. de 3 peças para bebês, composto de toalha de capuz, babadouro e toalha de mão. Inscrições até o dia 26/10. Não perca!!!
    http://www.atelierveloso.com/

    Aguardamos sua visita e inscrição!!!
    Corra logo que faltam poucos dias para o sorteio!!!

    ResponderExcluir
  6. Bem vinda de volta, e com que estilo!! Amei a homenagem... depois te escrevo com calma.
    Beijo carinhoso.

    ResponderExcluir
  7. Que texto mais lindo e sensível. Adorei.
    Espero sentir essa emoção novamente algum dia.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  8. Sabe, eu sempre abro a listinha de blogs que eu sigo e é sempre a mesma coisa, mas fico toda animada quando vc posta alguma coisa.
    Parabéns pela blog e pela maternidade.

    ResponderExcluir
  9. Vou copiar a Paula... Escreve logo um livro!
    Ainda mais agora, que você tem pouca coisa pra fazer, pra pensar...
    :)
    bjins

    ResponderExcluir
  10. Lindo :)
    Acho que realmente a gente pode estar mais experiente, mas nunca preparada. Rs
    Beijos!
    Ah! Acho que pode dar a segunda dose com 7 anos sim.Conseguiu confirmar?

    ResponderExcluir
  11. Olá, estou passando aqui novamente para convidar para participar do SORTEIO no meu blog de BRIGADEIROS GOURMET.

    Espero você lá!!!

    www.tatidesignercake.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Acabei de descobrir seu site por acaso numa pesquisa do google.E já estou apaixonada pela leitura. Eu fui mãe solteira, casei e tive mais 2 filhas. Separei e fiquei assim, levando a vida por 5 anos, somente eu e minha 3 garotinhas. Creio que eu vá me identificar mt com seus relatos. Um grande abraço, Adriana Castilho - adrianacastilho@usp.br

    ResponderExcluir